segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Metropolis (1927)

Direção: Fritz Lang
Roteiro: Thea von Harbou 
Elenco: Alfred Abel (Joh Fredersen)
Gustav Fröhlich (Freder - Filho de Joh Fredersen)
Brigitte Helm (Maria / Androide)
Rudolf Klein-Rogge (C.A. Rotwang - O inventor)
Theodor Loos (Josaphat - assessor de Fredersen)
Heinrich George (Grot - o Capataz) 



    "Este filme não é de hoje, nem do futuro. Ele fala de um lugar nenhum. Ele não serve a nenhuma tendência, partido ou classe. Ele tem uma moral que cresce quando há compreensão: o mediador entre o cérebro e as mãos deve ser o coração." 
                               Thea von Harbou, 1925



  




   Uma obra prima à frente de seu tempo, um marco do expressionismo alemão, foi a produção mais cara da Europa na época, um dos últimos filmes mudos de Fritz Lang (também conhecido por dirigir M - O vampiro de Düsseldorf) e estreou em 1927 em Berlin. Uma grandiosa produção em todos os sentidos, com centenas de figurantes, cenários imensos, máquinas e diversos efeitos especiais.

   A história se passa no ano de 2026, Metropolis é uma grande cidade dividida em duas camadas, na parte superior com seus prédios, boa vida, diversão e alta tecnologia vive a classe composta pelos poderosos, em lugares chamados como "Clubes do Filhos" e "Jardins Eternos", enquanto na parte subterrânea, na Cidade dos Trabalhadores, ficam os operários que trabalham em tarefas repetitivas e exaustivas 10 horas por dia, em máquinas monstruosas responsáveis por manter todo o conforto para a classe privilegiada, vivendo em péssimas condições como escravos.





   Metropolis é governada por Joh Fredersen, que vive na parte superior com seu único filho Freder, desfrutando os prazeres da classe privilegiada. Na parte inferior vive Maria, uma carismática mulher, que prega o amor e compreensão aos trabalhadores, dizendo que um dia chegará um mediador, que será responsável por melhores condições de vida. Um dia Freder conhece Maria e fica fascinado pela moça, na tentativa de encontrá-la vai parar na Casa das Máquinas, onde presencia um trabalhador caindo em exaustão até que acontece um acidente, onde diversos operários ficam feridos. Freder tem alucinações com a máquina, a vendo como o antigo Deus Moloch engolindo os operários, e comovido, sobe para contar ao seu pai o que aconteceu, acreditando que o mesmo tomaria alguma providência, mas Joh Fredersen não parece se importar. Assim Freder vai até a Cidade dos Trabalhadores atrás de Maria para tentar encontrar um meio de ajudar os trabalhadores.

  Enquanto isso Joh Fredersen descobre um mapa no bolso de um operário e vai até Rotwang, um inventor maluco, procurar saber o que poderia significar, descobrem se tratar do local de uma reunião entre os trabalhadores e vão espionar. Rotwang apresenta a Fredersen sua criação, Hel, um robô feito a imagem do homem (Maschinenmensch), falando que futuramente poderá substituir os humanos e manter as máquinas sempre funcionando.




   Percebendo que Maria tem uma grande influência sobre os operários, Fredersen ordena que Rotwang de à androide sua semelhança para tentar convencer os trabalhadores e evitar que revoltas aconteçam. Acontece que Rotwang, foi apaixonado por uma mulher chamada Hel (tentou revivê-la na robô), mas a mesma se casou com Fredersen, e morreu ao dar a luz a seu filho Freder. Querendo vingança, Rotwang pretende acabar com Fredersen e seu filho desorganizando todo o sistema usando a falsa Maria, manipulando a burguesia e em seguida os trabalhadores.



  Metropolis é pura arte, cheio de simbolismos, cenas de forte expressão visual, uma bela arquitetura e um final reflexivo. Aborda o tema de maneira esplêndida, lutas de classes, exploração, desigualdade social, onde a massa sustenta a elite que está sempre acima dos trabalhadores, além de ser um dos filmes mais usados como referência para o cinema, música, games e outros meios artísticos. Incrível como se mantém tão atual, o futuro imaginado por Lang não está tão longe da nossa realidade, um dos melhores filmes de ficção que já assisti e uma obra de arte atemporal.



  

   O filme foi encurtado e editado após seu lançamento, e 1/4 do filme foi considerado perdido para sempre, até que foi descoberto em 2008 uma cópia em péssimas condições quase completa, que foi reconstruída.

Só dar o play para assistir:
Para ativar a LEGENDA, em alguns filmes, é necessário clicar no botão retangular "CC" ou em formato de ENGRENAGEM no lado inferior direito do vídeo. Após clicar selecione a legenda em português.

2 comentários:

  1. Como 1/4 do filme foi perdido para sempre, se foi descoberta uma cópia depois ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Havia sido considerado perdido até encontrarem uma cópia em 2008, conseguiram recuperar parte do material, mas muita coisa já estava deteriorada. Acredito que tenha me expressado mal.

      Excluir